OBRAS

05 de junio de 2016

Álvaro Siza: Piscina de Marés en Leça de Palmeira

W_mares_low_big
Álvaro Siza

Álvaro Siza
Ficha | Web

Specifications and graphic description of the project and work on five concepts: context, system, research, links, matter

Ficha de la obra

Imprimir ficha

Nombre del proyecto: Álvaro Siza: Piscina de Marés en Leça de Palmeira

Promotor/es:

Ubicación:

Fecha de finalización:

Presupuesto:

Ciudad:

Nombre de la obra:

Agentes: Arquivo Álvaro Siza

Ficha y descripción gráfica del proyecto y obra en cinco conceptos: Contexto, sistema, investigación, vínculos, materia. 

Fitxa i descripció gràfica del projecte i l'obra en cinc conceptes: Context, sistema, investigació, vincles, matèria. 

PISCINA DE MARÉS -  LEÇA DA PALMEIRA

MEMÓRIA DESCRITIVA

Encontra-se actualmente em estudo o plano de valorização da orla marítima de Leça da Palmeira, incluído na urbanização da zona entre o núcleo actual e a Boa Nova.

A piscina cujo anteprojecto agora se apresenta integra-se no referido plano, de que a já projectada estrada marginal, entre Matosinhos e a Póvoa, é por assim dizer a espinha dorsal.

O local escolhido pela C.M.M., pela situação relativamente ao aglomerado, à sua futura expansão, ao conjunto de praias de que a piscina virá a ser elemento vitalizador, parece reunir condições excelentes.

Na construção dos dois tanques (para crianças e adultos), aproveita-se a topografia do terreno, não só por razões económicas, como para evitar um corte violento da paisagem, dentro do espirito que preside ao plano mencionado.

As instalações anexas (vestiários, sanitários e cabina de tratamento de água), desenvolvem-se ao longo do muro de suporte que actualmente limita a praia, articulando perpendicularmente a Norte com um corpo destinado a restaurante e serviços complementares.

O desenvolvimento e capacidade das instalações anexas estabeleceu-se tomando como base princípios normalmente adoptados, e a partir da área do tanque de natação.

Tendo sido preferido o sistema da cabinas de mudança de roupa, com deposito central e separação entre calçados e descalços, verificou-se serem necessárias 24 cabinas, partindo do princípio que o número de cabides, no depósito, deverá aproximar-se de 3/5 do número de metros quadrados da piscina, que a utilização diária de cada cabina é de 40 pessoas, e admitindo que cada cabina é utilizado 2 vezes por dia, (Prof.Ernest Neufert, “Arte de projectar em Arquitectura”).

Os edifícios serão construídos com paredes em betão descofrado e cobertura em madeira, revestida com chapa de cobre, sobre telas asfalticas.

Os pavimentos serão laváveis, havendo uma escolha criteriosa dos materiais, sobretudo na zona de vestiários e sanitários, onde os cuidados de higiene são mais prementes.

No exterior prevêem-se zonas privativas de descalços, existindo duches e lava-pés de passagem obrigatória, à saída dos vestiários e junto dos tanques.

Matosinhos, 25 de Outubro de 1962

Álvaro Siza

Scan139_1500px_big
9_60_eo_001_big
9_60_eo_004_big
Pm092_big
Pm093_big

Fuente: Scalae

Ref. scalae.net

Publicado por Scalae , 05 de junio de 2016 7:27

Imprimir Enviar
Añade tu comentario